adoro a tiê, ouço no repeat várias de suas músicas e me apaixonei pelo vídeo que a juliana mundim fez para “dois”. de uma beleza impressionante! um daqueles clipes que merecem ser vistos repetidas vezes ♥


casinha

29Jan10

hernan paganini faz fotos e desenhos lindos. a série home love home é uma das minhas preferidas

apreciem melhor o trabalho dele: http://www.puloverchito.com.ar/


passarinho

29Jan10

tem coisas que soam familiares na primeira vez que você que as encontra. tipo brown bird, essa banda americana que faz folk e country e tem à frente david lamb, dono de uma voz perfeita pra embalar uma madrugada nem quente nem fria. beleza pura!

ouçam: http://www.myspace.com/brownbird


em close

29Jan10

fazer retratos é uma arte que sacha héron entende muito bem

vejam mais: http://www.sachaheron.com/


beso

29Jan10

lindo beijo por olya khlebalina


amigo é uma coisa que a gente perde ao longo da vida. encontramos vários, nos apegamos a alguns e, a certa altura, somos forçados a colocar o prefixo ex antes do nome daquele que enchia nosso coração de carinho e de certeza.

perder um amigo para a vida, e não por uma fatalidade, é uma dor dilacerante. a gente pensa que amizade é pra sempre, que, quando a gente for velhinho e lembrar de tudo que aconteceu, estarão perto de nós aqueles que a gente escolheu como a família do coração.

mas a vida tem dessas decepções. uma hora é você que sai de cena. em outra, a vontade é daquele que te dava toda certeza do mundo de que era ficaria ali no matter what.

a primeira vez em que eu tive que tornar um amigo ex-amigo, senti uma dor que acabou comigo. fiquei sem entender, chorei, chorei. por um tempo, foi difícil acreditar de novo na beleza, na simplicidade e nas diversas nuances de uma amizade.

optei por deixar a amargura de lado e seguir em frente, ainda com esperança de que aquela dor eu não sentiria mais. novas amizades vieram, as que importavam de verdade permaneceram. e não senti aquela dor de novo, não daquele jeito. mas outras dores apareceram pra mostrar que a vida é assim mesmo, por mais que a gente se pergunte se já não teve a nossa cota.

o bom é que dor ensina. e depois que a gente sente uma que parte o coração em mil pedacinhos, aprende a relativizar as outras. e, melhor ainda, renova o olhar diante dos amigos de sempre, aqueles por quem a gente sente todo o amor do mundo e em quem temos a sorte de encontrar reciprocidade.

* a foto é de andrei mitroshin


letrinhas

28Jan10

adorei este trabalho de tipografia  =)

vejam mais: carved blox


grrrr

28Jan10

tenho vários posts pra vocês, mas simplesmente não consigo publicar nenhum. subo uma foto, ela demora horas pra aparecer e depois não carrega. escrevo alguma coisa, clico em publicar e perco tudo. alguém sabe o que diabos está acontecendo com o wordpress? obrigada!


gente querida que estiver pela campus party hoje, favor comparecer ao bate-papo do youpix sobre mulheres produzindo conteúdo. a bia granja me convidou pra fazer parte do debate, e eu adorei a idéia, ainda mais depois de saber quem são as companheiras de mesa!

youpix na campus party, hoje, às 20h, com @lilianeferrari @daniarrais @bitinic @renataleaob


Eu quero chegar a outro ponto. O que quer dizer apagar as unhas, a boca e a sobrancelha?

Eu arrisco um palpite. Para mim, a moda quer apagar o que é de bicho no homem. Se cagamos, mijamos, suamos e temos pelos, coisas grotescas que nos lembram o tempo todo que somos animais, isso não interessa à moda. Então que seja escondido. Que pelos, banhas, cascas, cacas e mucosas sejam todos apagados da nossa cara e do nosso corpo.

trecho do texto maravilhoso da helô lupinacci sobre essa tendência bizarra de sair apagando tudo: primeiro as roupas, depois as unhas, agora as sobrancelhas…

leiam o texto completo: Sem pelos, nem cascas, nem banhas, nem mucosas